terça-feira, 1 de abril de 2014

(Cuidado com aquele motor de carro, ele é psicomaníaco!!!) Motorpsycho.


Essa banda se chama Motorpsycho. É um power-trio formado em Trondheim, Noruega, em 1989. Sua formação conta com Bent Sæther, Hans Magnus Ryan e Kenneth Kapstad. Sæther e Ryan tocam diversos instrumentos e ambos contam como vocalistas, mas basicamente, ambos tocam guitarra, baixo, bateria, teclados, bandolim e banjo, enquanto que Kapstad se foca mais na bateria, teclados e um pouco de vocais também. A música do Motorpsycho não possui de certa forma, uma classificação, mas a banda já passou por diversos gêneros ao longo de sua carreira até os dias de hoje, com sonoridades calcadas no Grunge, Heavy Metal, Noise Rock, Rock Psicodélico, Indie Rock e Jazz.

A banda começou no final dos anos 80, em 1989. Bent Sæther (Na época, vocalista/baixista) e Hans Magnus Ryan (Na época, guitarrista) e Kjell Runar Jenssen (Baterista) se conheceram por que tocavam em diversas bandas da cena da cidade norueguesa, e formaram a banda com a intenção de tocar Metal Alternativo, e para escolher um nome, a banda decidiu fazer uma espécie de tríade de nomes de filmes de Russ Meyer, escolhendo primeiro o nome "Mudhoney". Logo após descobrirem outra banda bem conhecida com o mesmo nome, eles escolheram o nome "Faster Pussycat", mas novamente descobriram outra banda com o mesmo nome. Então, optaram pelo nome "Motorpsycho".

 A banda lança seu primeiro trabalho, uma demo de 4 faixas chamada Maiden Voyage, pelo selo/fanzine independente Knallsyndikatet.


Motorpsycho - Maiden Voyage (Demo) (1990)
1. Politician
2. Queen Chinee
3. How Was I To Know
4. Blueberry Daydream


Os primeiros shows começaram, fazendo com que a banda chamasse a atenção da gravadora Voices Of Wonder Records. A banda decide assinar com essa gravadora e ainda na primavera de 1990, o power-trio produz seu primeiro álbum, Lobotomizer. Lançado em 1991 pela Voices Of Wonder.


Motorpsycho - Lobotomizer (1991)
1. Lobotomizer
2. Grinder
3. Hogwash
4. Home Of The Brave
5. Frances
6. Wasted
7. Eternity
8. Tfc


O álbum contem um estilo bem rasgado, cru e pesado (Que varia do Heavy Metal ao Grunge), porém, para os fãs atuais, Lobotomizer é considerado o álbum mais fraco da banda. Esse foi o único álbum de estúdio onde a banda contou com Kjell Runar Jenssen, que saiu do grupo depois da gravação. Em seu lugar, entra Håkon Gebhardt, um amigo de infância do guitarrista Ryan. 

Os shows da banda, infelizmente, estavam restritos apenas a terras norueguesas, mas isso não impediu a banda de prosseguir e em 1992 a banda grava dois EP's em vinil: Um chamado Soothe e outro chamado 3 Songs For Rut. A banda decidiu juntar os dois lançamentos e lançá-los em uma coletânea apenas em CD chamada 8 Soothing Songs For Rut, pela Voices Of Wonder.


Motorpsycho - 8 Soothing Songs For Rut (1992)
1. Have Fun
2. Loaded
3. Lighthouse Girl
4. Sister Confusion
5. The Wait
6. Step Inside
7. We All Float Down Here Too!
8. California Dreamin' (The Mamas & The Papas Cover)


Logo a banda passa de trio para quarteto com o quarto integrante Helge Steen (Conhecido pelo seu pseudônimo "Deathprod"), que toca teclados e teremim. Com essa formação a banda dá mais um passo adiante na experimentação e decide continuar nesse caminho no próximo álbum. Produzido pelo próprio Deathprod, o álbum se chama Demon Box e foi lançado pela Voices Of Wonder em LP e CD, em 1993. (Nota do autor: Na versão em CD, algumas músicas não foram incluídas, como Gutwrench, Mountain e Mr. Who, para que o álbum coubesse em um simples CD. Portanto, a versão que estou postando é a do CD, quem tiver as faixas da versão em LP, comente aí, beleza?)


Motorpsycho - Demon Box (1993)
1. Waiting For The One
2. Nothing To Say
3. Feedtime
4. Sunchild
5. Tuesday Morning
6. All Is Loneliness
7. Come On In
8. Step Inside Again
9. Demon Box
10. Babylon
11. Junior
12. Plan #1
13. Sheer Profundity
14. The One Who Went Me Away


Demon Box contribuiu para que a banda ganhasse um novo nível de sucesso no ambiente underground, ganhando uma força de reconhecimento bem grande. A banda começou a ganhar sucesso em outros países além da Noruega, como Itália, Alemanha, Bélgica, Holanda, e até mesmo na Escandinávia. O álbum fez também com que a banda fosse nomeada para o Grammy Norueguês (Mesmo não levando o prêmio). Para a turnê, a banda participou do festival Roskilde daquele ano de 93, junto de bandas como Lemonheads, Afghan Whigs, Anthrax, Boghandle, Bad Religion, Cop Shoot Cop, Clawfinger, Living Colour, Dizzy Mizz Lizzy, dentre outras bandas.

Entre os anos de 1993 e 1994, a banda decide provar mais uma vez que tem muita criatividade. Produzindo novamente com Deathprod, o álbum Timothy's Monster foi lançado em 1994 dessa vez pela Harvest Records na Noruega e pela Stickman Records no resto do mundo. Antes disso, a banda também lançou outro álbum, dessa vez no estilo Country Rock, chamado The Tussler - Original Motion Picture Soundtrack, pela Harvest sob o nome "Motorpsycho & Friends".


Motorpsycho & Friends - The Tussler - Original Motion Picture Soundtrack (1994)
1. Theme From The Tussler
2. Six Days On The Road
3. Frances
4. Babylon
5. I Know You Rider
6. Hogwash
7. The Tussler (Slight Return)
8. Sunnyboy Gaybar
9. Sunchild
10. Waiting For The One
11. A Memory



Motorpsycho - Timothy's Monster (1994)
CD 1:
1. Feel
2. Trapdoor
3. Leave It Like That
4. A Shrug & A Fistful
5. Kill Some Day
6. On My Pillow
7. Beautiful Sister
8. Wearing Yr Smell
9. Now It's Time To Skate
10. Giftland
11. Watersound

CD 2:
1. The Wheel
2. Sungravy
3. Grindstone
4. The Golden Core


Com Timothy's Monster, a banda começou a se distanciar do som pesado para abraçar uma sonoridade mais indie rock (Ainda assim, com muita virtuosidade), mas isso não impediu a banda de ganhar ainda mais sucesso. O álbum também contou com a participação de Lars Lien nos teclados. Depois da gravação do álbum, Helge Steen decide sair do grupo para se focar mais nos estudos, mas ele ainda colaborou com a banda em alguns shows por um certo tempo, até ele ser substituído por dois integrantes: Lars Lien e Morten Fagervik.

A banda fez mais turnês em terreno Europeu, principalmente na Alemanha, Holanda e Itália, que durariam não só o restante do ano de 1994, mas o ano de 1995 inteiro, contando com outra participação no festival Roskilde e uma participação bem conhecida no festival Dynamo Open Air junto de bandas como Biohazard, Dub War, Fear Factory, Life Of Agony, Madball, Mental Hippie Blood, Shihad, Sun e Type O Negative.

A banda retornou ao estúdio em 1996 para compor um novo álbum. Produzido novamente por Deathprod, mas dessa vez em conjunto com Pieter Kloos, o álbum Blissard foi lançado pela Stickman Records naquele mesmo ano de 96.


Motorpsycho - Blissard (1996)
1. Sinful, Wind-Borne
2. "Drug Thing"
3. Greener
4. s Numbness
5. The Nerve Tattoo
6. True Middle
7. S.T.G.
8. Manmower
9. Fools Gold
10. Nathan Daniel's Tune From Hawaii


Blissard foi o primeiro álbum que na qual a banda tentou trazer músicas já prontas no papel, ao contrário do que aconteceu nos álbuns anteriores, onde a banda experimentava muito dentro do estúdio. E por isso é considerado o melhor trabalho da banda pelos críticos e pelos fãs. Na turnê de divulgação do álbum, a banda decidiu passar por países que até então a banda nunca tinha visitado, como Suíça por exemplo, além de mais turnês na Alemanha, Holanda e na terra-natal deles, Noruega. A banda prosseguiu com as turnês até 1997, voltando ao estúdio junto de Deathprod para produzir três EP's: Babyscooter, Have Spacesuit Will Travel e Lovelight. Cada um desses EP's teve 500 cópias prensadas e logo ficaram fora de catálogo.

Mas a banda decidiu usar a mesma tática que usaram em 8 Soothing Songs For Rut. Eles juntaram os três EP's e lançaram a coletânea Angels And Daemons At Play em 1997 pela Sony Records na Noruega e pela Stickman Records no restante da Europa.


Motorpsycho - Angels And Daemons At Play (1997)
 1. Sideway Spiral
2. Walking On The Water
3. Heartattack Mac
4. Pills, Powders + Passion Plays
5. In The Family
6. Un Chien d'space
7. Sideway Spiral II
8. Like Always
9. Stalemate
10. Starmelt/Lovelight
11. Timothy's Monster


 A sonoridade de Angels And Daemons At Play segue na mesma linha que Blissard: Um Hard Rock/Indie virtuoso e experimental bem setentista. A banda foi nomeada para o Spellemannprisen Awards, na classe Hard Rock. A base de fãs da banda continuou crescendo na Europa, com novas turnês surgindo em cidades da Noruega, Alemanha, Itália e Holanda, além de uma participação no festival Pukkelpop daquele mesmo ano de 97, junto de bandas como Blink 182, Bloodhound Gang, Bush, Dinosaur Jr, Eels, Foo Fighters, Incubus, Jon Spencer Blues Explosion, Marilyn Manson, Metallica, Millencolin, Rammstein, Tonic, Veruca Salt e You Am I.

Em 1998, voltando ao estúdio com Deathprod comandando a produção, o novo álbum foi lançado naquele mesmo ano pela Sony na Noruega e pela Stickman no restante da Europa, sob o nome Trust Us.


Motorpsycho - Trust Us (1998)
CD 1:
1. Psychonaut
2. Ozone
3. The Ocean In Her Eye
4. Vortex Surfer
5. Siddhartino
6. 577

CD 2:
1. Evernine
2. Mantrick Muffin Stomp
3. Radiance Freq.
4. Taifun
5. Superstooge
6. Coventry Boy
7. Hey, Jane
8. Dolphyn


O álbum recebeu sucesso artístico e comercial, mas Trust Us já dava sinais de que a banda daria um enorme passo adiante em sua sonoridade. Durante as 8 semanas que a banda gastou promovendo o álbum, os críticos e fãs perceberam que a banda estava dando aos poucos esse enorme passo, consolidando-os aos poucos com ótimas performances ao vivo. E foi com essas performances que em 1999 a banda lançou o primeiro de uma série de álbuns ao vivo da banda, chamado de Roadwork Vol. 1: Heavy Metall Iz a Poze, Hardt Rock Iz A Laiftschteil pela Stickman Records. O álbum foi gravado na Europa em 1998.


Motorpsycho - Roadwork Vol. 1: Heavy Metall Iz a Poze, Hardt Rock Iz a Laifschteil (1999)
 1. The Other Other Fool
2. A K9 Suite:
3. Super/Wheel
4. You Lied
5. Back To Comm
6. Words Of Wisdom
7. Vortex Suffer


Ainda em 1999, a banda decide entrar em estúdio novamente com Deathprod na produção para gravar o sucessor de Trust Us. A banda também sentiu que a sonoridade antiga que estavam fazendo já os estava enojando, então eles decidiram compor um álbum com uma sonoridade totalmente diferente dos álbuns anteriores que tinham feito. E assim na virada do milênio, em 2000, foi lançado pela Sony na Noruega e pela Stickman no restante da Europa, o álbum Let Them Eat Cake.


Motorpsycho - Let Them Eat Cake (2000)
1. The Other Fool
2. Upstairs-Downstairs
3. Big Surprise
4. Walkin' With J.
5. Never Let You Out
6. Whip That Ghost (Song For A Bro)
7. Stained Glass
8. My Best Friend
9. 30/30

Pegue aqui!

A banda muda de direção com Let Them Eat Cake, indo para uma sonoridade mais jazz e mais psicodélica, ao contrário do hard rock/indie/grunge que faziam nos álbuns anteriores. Para executar essas músicas ao vivo, a banda contratou o músico de jazz Baard Slagsvold, que ficou como tecladista. A banda ganhou um novo nível de sucesso graças a essa nova fase, que tinha uma sensibilidade bem mais pop, mas muitos fãs ficaram divididos. Alguns fãs ficaram alienados com essa mudança, enquanto que outros reagiram bem. Mas isso não abalou a banda de jeito nenhum, continuando com as turnês em países onde a banda nunca tinha passado, como França e Áustria, além de turnês onde a banda já era bem conhecida, como Itália, Alemanha, Suíça e Bélgica.

A banda também participou de mais uma edição do festival Pukkelpop, junto de bandas como Coldplay, Feeder, K's Choice, Limp Bizkit, Mr. Bungle, No Use For A Name, Placebo, Queens Of The Stone Age, Reverend Horton Heat, Rollins Band, Sigur Rós, Slipknot, Supersuckers e Therapy?.

Eles continuaram as turnês até o fim do ano de 2000, onde a banda entrou em estúdio com Deathprod novamente na produção para gravar um EP chamado Barracuda, com um estilo mais voltado ao blues-rock. O EP foi lançado em 2001 pela Stickman Records. A banda também produziu o sucessor de Let Them Eat Cake, chamado de Phanerothyme, também lançado em 2001 pela Stickman Records/Sony.


Motorpsycho - Barracuda (EP) (2001)
1. Heartbreaker
2. Up 'Gainst The Wall (Big Time)
3. Star Start Star
4. Vanishing Point
5. Rattlesnake
6. Dr. Hoffmann's Bicycle
7. Glow



Motorpsycho - Phanerothyme (2001)
1. Bedroom Eyes
2. For Free
3. B.S.
4. Landslide
5. Go To California
6. Paint The Night Unreal
7. The Slow Phaseout
8. Blindfolded
9. When You're Dead


O som de Phanerothyme continua na mesma linha de Let Them Eat Cake, quase que totalmente. A banda prossegue com os shows na Europa, ao mesmo tempo em que lança seu segundo álbum ao vivo, que contém um show da banda junto com uma outra chamada The Source em um festival de Jazz chamado Konsberg. O nome do álbum ao vivo é Roadwork Vol. 2: The MotorSourceMassacre - Motorpsycho, The Source & Deathprod, Live At Konsberg Jazzfestival 1995, lançado em 2001 pela Stickman Records.


Motorpsycho - Roadwork Vol. 2: The MotorSourceMassacre - Motorpsycho, The Source & Deathprod, Live At Konsberg Jazzfestival 1995 (2001)
1. Olemanns Kornett
2. Grindstone
3. The Wheel
4. Finske Skoger
5. Dreams
6. The Golden Core
7. Limbo
8. N°a


A banda continuou expandido sua base de fãs, passando por países como Grécia, Dinamarca e Inglaterra, além de Itália, Alemanha e Holanda, país esse que a banda não fazia shows já fazia um bom tempo. As turnês prosseguiram até o fim de 2001, onde a banda produziu com Deathprod o álbum It's A Love Cult, que foi lançado pela Stickman Records em 2002.
Motorpsycho - It's A Love Cult (2002)
1. Überwagner Or A Billion Bubbles In My Mind
2. Circles
3. Neverland
4. This Otherness
5. Carousel
6. What If...
7. The Mirror And The Lie
8. Serpentine
9. Custer's Last Stand (One More Daemon)
10. Composite Head


O som de It's A Love Cult continua na mesma direção de Phanerothyme e Let Them Eat Cake, mas recebendo críticas um pouco mais frias comparado aos outros álbuns citados. Para a turnê, a banda passou por mais países onde a banda nunca tinha visitado, como Espanha, Suécia e Luxemburgo, além de participações nos festivais Bizarre (Junto de Incubus, Korn, Nickelback e Chemical Brothers), em mais uma edição do Pukkelpop (Junto de Breeders, Disturbed, Filter, Fu Manchu, Green Lizard, Guns N' Roses, Jane's Addiction, Korn, Nickelback, Prong e Puddle Of Mudd) e no Lowlands (Junto de Dimmu Borgir, Filter, Flogging Molly, Incubus, Korn e Within Temptation). Além disso, a banda também fez sua primeira turnê nos EUA e em 2003, sua primeira turnê no Japão, ambas bem-sucedidas.

Em 2004, a banda decide gravar um segundo álbum no mesmo estilo country rock de The Tussler - The Original Motion Picture Soundtrack, produzindo por conta própria sob o nome The Internacional Tussler Society. O álbum, chamado Motorpsycho Presents The Internacional Tussler Society, foi lançado pela Stickman Records em 2004.


The Internacional Tussler Society - Motorpsycho Presents The Internacional Tussler Society (2004)
1. Highway Zen
2. That 'ol White Line
3. The West Ain't What It Used To Be
4. September
5. Satan's Favourite Son
6. Laila Lou
7. Back In Your Bed
8. When We Were One
9. Shitbox Ford
10. Morning Rain
11. The Skies Are Full Of... Wine?
12. Cassie (Call On Me)


Para promover esse álbum, a banda fez uma breve turnê que durou até o fim de 2004. Durante o ano de 2005, a banda decidiu dar uma parada na atividade para descansar, muito por causa da saída de Håkon Gebhardt da banda. Sæther e Magnus Ryan decidiram retornar ao estúdio em meados de 2005 como uma dupla para produzir o sucessor de It's A Love Cult. Para gravar a bateria, o próprio Sæther decidiu assumir a posição para isso. Produzindo dessa vez com Pieter Kloos em vez de Deathprod, o álbum duplo Black Hole/Blank Canvas foi lançado apenas em 2006 pela Stickman Records.


Motorpsycho - Black Hole/Blank Canvas (2006)
CD 1:
1. No Evil
2. In Our Tree
3. Coalmine Pony
4. Kill Devil Hills
5. Critical Mass
6. The 29th Bulletin
7. Devil Dog
8. Triggerman

CD 2:
1. Hyena
2. Sancho Says
3. Sail On
4. The Ace
5. L.T.E.C. (Deja-Vulture Blues
6. You Lose
7. Before The Flood
8. Fury On Earth
9. With Trixeene Through The Mirror, I Dream With Open Eyes

Pegue aqui!

Da fase jazz psicodélica da banda, Black Hole/Blank Canvas possui uma sonoridade bem mais madura comparado aos álbuns anteriores dessa fase, resgatando um pouco da sonoridade hard rock que eles faziam nos anos 90 e ficando de certa forma, bastante semelhante com um som stoner rock.

Para a turnê, a banda contratou o baterista Jacco Van Rooij e o vibrafonista Øyvind Brandtsegg. Com essa formação, a banda passou por diversas cidades da Alemanha, Itália e Bélgica, além de uma participação no Haldern Pop Festival (Junto de bandas como Twilight Singers, Mogwai, The Kooks, dentre outras).

Em 2007, a banda participou de mais festivais, como o Quart Festival (Junto de Turbonegro, The Who, 50 Cent e Chris Cornell) e o Burg Herzberg Festival (Com Brant Bjork And The Bros., Uriah Heep, Floating Stone, dentre outros). Ainda em 2007, a banda volta ao estúdio e se junta ao produtor Deathprod depois de 4 anos sem produzir alguma coisa com ele, para gravar o álbum Little Lucid Moments. O álbum foi lançado pela Stickman Records e pela Rune Grammofon em algumas localidades (Como EUA, Escandinávia, Grã-Bretanha e França) em 2008.


Motorpsycho - Little Lucid Moments (2008)
1. Suite: Little Lucid Moments
2. Year Zero (A Damage Report)
3. She Left On The Sun Ship
4. The Alchemyst


Esse foi o primeiro álbum que a banda gravou com o novo baterista Kenneth Kapstad, que substituiu Håkon Gebhardt definitivamente. Além disso, Little Lucid Moments é o álbum da banda que tem a menor quantidade de faixas, mas essas faixas são umas das mais longas da carreira da banda, indo dentre 11 e 21 minutos.

Para promover o álbum, a banda começou fazendo shows no país-natal deles, Noruega, assim passando por outros países novamente. A banda participou de mais uma edição do festival Roskilde (Junto de Anti-Flag, Band Of Horses, Bullet For My Valentine, Cat Power, Clutch, Jay-Z, Judas Priest, Kings Of Leon, My Bloody Valentine, Neil Young, Radiohead e Slayer). A banda retornou ao estúdio em 2008 para produzir o próximo álbum.

Optando por trabalhar com Steve Albini dessa vez, a banda grava o sucessor de Little Lucid Moments: Child Of The Future. O álbum é lançado no ano em que a banda comemora seus 20 anos de existência, em 2009, pela Stickman Records/Rune Grammofon apenas em vinil.


Motorpsycho - Child Of The Future (2009)
1. The Ozzylot (Hidden In A Girl)
2. Riding The Tiger
3. Whole Lotta Diana
4. Cornucopia (...Or Satan, Uh... Something)
5. Mr. Victim
6. The Waiting Game
7. Child Of The Future


 Durante a turnê de 20 anos da banda, os caras notaram que estavam meio parados no quesito da produção de álbuns, sempre com produtores que são da Noruega, então, entrando em estúdio novamente com um produtor diferente que veio de fora, Kåre Vestrheim. Com ele, a banda produziu o álbum Heavy Metal Fruit, que foi lançado no começo de 2010 pela Stickman Records/Rune Grammofon em CD e Vinil.


Motorpsycho - Heavy Metal Fruit (2010)
1. Starhammer (Feat. The Electric Psalmon)
2. X-3 (Knuckleheads In Space)/The Getaway Special
3. The Bomb-Proof Roll And Beyond (For Arnie Hassle)
4. Close Your Eyes
5. W.B.A.T.
6. Gullible's Travails (pt. I-IV)


Com Heavy Metal Fruit, a banda alcança novamente um grande sucesso, ainda com a sonoridade no jazz psicodélico, mas com mais toques de rock alternativo/progressivo. Na turnê, a banda visita a Finlândia, país que nunca havia visitado antes, além de mais shows na Espanha, Noruega e Inglaterra.

Enquanto a banda estava na estrada, a Stickman Records decide lançar mais um volume da série de álbuns ao vivo Roadwork. O nome do álbum é Roadwork Vol. 4: Intrepid Stronk, e foi lançado em 2011. (Nota do autor: Você deve estar se perguntando: Mas e o Roadwork Vol. 3: The Four Norsemen Of The Apocalypse? Bom, esse foi incluído como um bônus no DVD Haircuts, lançado em 2008, e eu não consegui encontrar esse DVD muito menos o bônus separado. Mas quando eu encontrar, vou editar esse post e incluí-lo aqui.)

Além disso, a casa de shows Effenaar lançou em edição limitada o álbum ao vivo Strings Of Stroop: Motorpsycho Live At Effenaar, contendo 5 faixas que foram gravadas durante vários shows nessa casa entre os anos de 1999 e 2010.


Motorpsycho - Roadwork Vol. 4: Intrepid Stronk (2011)
1. The Bomb-Proof Roll & Beyond
2. All Is Loneliness (Incl. Visions From A Possible Cornucopic Future...)
3. Wishing Well
4. Landslide
5. Kill Devil Hills
6. The Alchemyst



Motorpsycho - Strings Of Stroop: Motorpsycho Live At Effenaar (2011)
   1. Psychonaut (1999)
2. Go To California (2000)
3. Whole Lotta Diana (2010)
4. Come On In (2010)
5. Sheer Heart Attack (2006)

Pegue aqui!

A banda continuou com as turnês até o fim de 2011, quando decidem voltar ao estúdio junto com o músico de jazz-rock Ståle Storløkken, para um álbum colaborativo. Lançado pela Stickman Records/Rune Grammofon em 2012, o álbum se chama The Death Defying Unicorn.


Motorpsycho & Ståle Storløkken - The Death Defying Unicorn (2012)
CD 1:
1. Out Of The Woods
2. The Hollow Lands
3. Through The Veil (Parts I & II)
4. Doldrums
5. Into The Gyre
6. Flotsam

CD 2:
1. Oh, Proteus - A Prayer
2. Sculls In Limbo
3. La Lethe
4. Oh, Proteus - A Lament
5. Sharks
6. Mutiny!
7. Into The Mystic

Pegue aqui!

O álbum é conceitual e conta a história de um menino de Xangai, China, que é pressionado para se tornar um servente em uma viagem para as "Hollow Lands", em uma jornada física e psicológica, até se tornar jantar de peixes em um barco furado no meio de um oceano aberto. O álbum foi aclamado pela crítica e conta com a participação da orquestra de Jazz de Trondheim.
A banda voltou a estrada, fazendo shows com bastante frequência na Noruega e Alemanha, até o fim de 2012, quando a banda volta ao estúdio com a necessidade de voltar as raízes hard rock/indie/grunge do começo de sua carreira. E com isso, produzindo por si mesma o álbum, a banda lança Still Life With Eggplant em 2013 pela Stickman Records/Rune Grammofon, com a participação do segundo guitarrista Reine Fiske.


Motorpsycho - Still Life With Eggplant (2013)
1. Hell, Part 1-3
2. August (Love Cover)
3. Barleycorn (Let It Come/Let It Be)
4. Ratcatcher
5. The Afterglow


O álbum, como dito antes, marca a volta da banda as suas raízes, e com isso o álbum é considerado o mais acessível, pois possui estruturas musicais mais simples, mas mesmo assim, não deixou de ser bem-recebido pela crítica e público. A banda prosseguiu em turnê com Reine Fiske na segunda guitarra, passando por cidades da Noruega e Alemanha novamente, fazendo paradas ocasionais na Suíça, Holanda, Bélgica e Itália.

As turnês terminam no fim de 2013, quando a banda volta ao estúdio com a mesma formação para a gravação do seu mais recente álbum, Behind The Sun. O álbum é lançado pela Stickman Records/Rune Grammofon nesse ano de 2014. Atualmente a banda está em turnê promovendo o novo álbum.


Motorpsycho - Behind The Sun (2014)
1. Cloudwalker (A Darker Blue)
2. Ghost
3. On A Plate
4. The Promise
5. Kvæstor (incl. Where Greyhounds dare)
6. Hell, Part 4-6
7. Entropy
8. The Magic & The Wonder (A Love Theme)
9. Hell, Part 7

3 comentários:

  1. Cara, sério, parabéns pelo site. Encontrei coisas aqui que nunca iria encontrar na mídia convencional. São por causa de pessoas como você, que os amantes do rock podem continuar a "descobrir", viver e ouvir a verdadeira música. Valew pelo trabalho!!!!

    ResponderExcluir
  2. Excelentes publicação e banda, VLW irmão !!!!!

    ResponderExcluir